Após a colheita bem-sucedida da soja, que contribuirá para que o Brasil deva ter a maior safra da história, os produtores têm um dilema: o que fazer com o dinheiro que sobrou, fruto de muito trabalho? Diante de tantas opções, a Sicredi União PR/SP convidou o economista e gerente de investimento, Roberto Rodrigues, para ajudar a fazer escolhas assertivas de investimento.

Rodrigues destaca que é importante que o produtor invista no próprio negócio, como comprar ou arrendar terras, adquirir trator ou outros equipamentos, mas é preciso se atentar para não concentrar todo o patrimônio num só negócio, no caso, na propriedade rural.

A sugestão é ter uma reserva financeira de, no mínimo, um ciclo produtivo. Por exemplo, no caso da soja, a reserva mínima seria de quatro meses, além, é claro, de contar com o seguro agrícola, que protegerá a safra de intempéries e fatores que não podem ser controlados.

Quando o produtor tiver reservas de mais de três ciclos produtivos e contratando o seguro agrícola para evitar riscos desnecessários, Rodrigues diz que é possível diversificar os investimentos. “O produtor é arrojado, tanto que planta as sementes, faz o manejo e até a colheita depende de fatores não controlados, como a falta ou excesso de chuva. E por que não diversificar o patrimônio e arriscar um pouco na hora de fazer investimentos, inclusive em renda variável, como ações na Bolsa de Valores?”, questiona. E assim como há diversificação numa propriedade, nos investimentos deve acontecer o mesmo.

A situação é inversa para os produtores que têm atividades arriscadas no campo. Neste caso, o ideal é que os investimentos financeiros sejam conservadores, já que não é recomendado ter duas atividades de risco.

Outro ponto importante é em relação ao planejamento sucessório. É provável que o produtor conheça ou até tenha vivenciado um processo de divisão de patrimônio que envolva inventário ou leve anos para ser resolvido. Para diminuir esses riscos, é possível contratar seguro de vida e/ou aplicar parte do patrimônio numa previdência privada ou ainda constituir uma holding familiar, que é uma empresa que administrará os bens. “É preciso planejar a aposentadoria, para quando o produtor tiver ou decidir reduzir o ritmo de trabalho e fazer a sucessão. E com esse planejamento, a família escolhe a melhor forma de aplicar as sobras das safras. Investir em imóveis e poupança é importante, mas há outras opções, e é interessante diversificar”, aconselha Rodrigues. A Sicredi União PR/SP conta com assessores de investimentos para ajudar os associados.

Avaliar:

(1)