Casado e pai de dois filhos, agricultor Claudinei José dos Santos recebeu integralmente um seguro rural de cerca de R$ 22 mil após ter produção de hortifruti dizimada pela geada de julho

Casado com Andreia Aparecida Mota dos Santos e pai de dois filhos – Jhonatan de 12 anos e Silvia de apenas 1 ano de vida -, o produtor rural Claudinei José dos Santos, associado da Sicredi União PR/SP desde julho de 2018, recebeu integralmente um seguro rural de cerca de R$ 22 mil após perder toda sua lavoura de hortifruti, atingida por forte geada em julho deste ano. O agricultor participa do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e era assistido pelo seguro agrícola.

Situado em Mogi Guaçu, cidade da região Centro Leste Paulista, Santos cultiva em seu sítio uma variedade de vegetais, entre eles pimentão, berinjela, jiló, vagem, quiabo, abóbora e milho verde, e integra também uma associação  que vende os alimentos para Prefeitura da cidade, creches e escolas da região.

Mas ele e a família só não imaginavam que amargariam prejuízos na agricultura familiar quando foram surpreendidos por uma das piores intempéries registradas em 24 anos: a geada devastou a lavoura inteira em 20 de julho de 2021. “Foi difícil! Perdemos toda nossa lavoura e ficamos sem saber o que fazer. A única coisa que sobrou foram contas para pagar, e que não eram poucas”, lembrou o agricultor.

Produtor teve perda total de sua lavoura após geada em 20 de julho deste ano

No entanto, em 30 de março, poucos meses antes do fatídico 20 de julho, Claudinei dos Santos havia tomado crédito rural para custeio da roça de pimentão – de aproximadamente 10 mil pés (1.2 hectare) – e, como forma de obter maior segurança, feito um seguro agrícola.

Por conta do bom relacionamento e atenção nos atendimentos que sempre lhe foram prestados na agência Sicredi de Mogi Guaçu, o produtor, mesmo desestimulado com os prejuízos, conversa com a esposa e entra em contato o gerente agro da instituição financeira cooperativa, avisando sobre o sinistro em sua roça. “[…] porque a gente tinha feito um financiamento para o plantio”, lembrou.

Inclusive, num passado não distante, Santos teve experiências negativas em que acionou o seguro em outra instituição e não teve êxito. Foi depois que uma chuva de granizo dizimou toda sua lavoura de berinjela. “Mal tinha começado a colher. E simplesmente após ter procurado o banco por vários dias, disseram que não teríamos direito nenhum, que não receberíamos nada”, relembrou.

Ainda desanimado, Santos conversa com o gerente agro e com o pensamento de não acionar o seguro. Todavia, desta vez, o agricultor foi assistido pela Sicredi União PR/SP. “Nosso gerente não nos deixou desistir e disse que tínhamos direito e se comprometeu a correr atrás para conseguir nos atender. Ainda falou que não era porque não tinha dado certo na outra instituição que a gente desistiria”, recordou.

Eduardo Eizo de Avellar, gerente de Negócios Agro da agência Sicredi Mogi Guaçu com o casal Claudinei e Andreia

Em 30 de setembro, para a surpresa do produtor, ele abre o aplicativo Sicredi e o pagamento do seguro foi feito de forma integral. “Ficamos muito felizes e mais surpresos ainda quando vimos o valor pago, de cerca de R$ 22 mil. Eu e minha família agradecemos ao Sicredi e nosso gerente por nunca desistir da gente e por fazer acontecer. Isso mostra mais uma vez que não é porque em um lugar não deu certo que a gente vai desistir. Agora, conseguimos liquidar as contas, estamos acertando para acertar o financiamento e ainda sobrou um pouco para começarmos uma lavoura nova”, comemorou o sitiante.

O engenheiro agrônomo Eduardo Eizo de Avellar, gerente de Negócios Agro da agência Sicredi Mogi Guaçu, reforça que a instituição financeira cooperativa oferece diversas soluções para o agronegócio, oferecendo proteção para os cultivos da região Centro Leste Paulista.

“Hoje, o seguro rural é indispensável para o produtor, que tem a sua empresa a céu aberto, minimizar os riscos pelos extremos climáticos da região. Pelo custo cada vez mais alto, é imprescindível o produtor mitigar os riscos de sua produção. E foi o que garantiu que Claudinei pudesse pagar todas as despesas que teve com lavoura perdida, além de complementar a renda da família”, finalizou Avellar.

GESTÃO DE RISCO NO CAMPO

Primeira instituição financeira cooperativa do País, o Sicredi registrou a contratação de 20.709 apólices de seguro agrícola até agosto de 2021. O número representa um crescimento de 31% em comparação ao mesmo período de 2020, quando a instituição registrou 15.838 apólices contratadas. O volume contratado em 2021 representa R$ 3,8 bilhões em valor segurado aos associados em mais de 829 mil hectares. Ainda no primeiro semestre deste ano, o Sicredi contabilizou mais de R$ 45 milhões em indenizações, sendo R$ 12,9 milhões para associados nos estados do Paraná e São Paulo.

Avaliar:

(3)