A importância de falarmos sobre o Setembro Amarelo

A importância de falarmos sobre o Setembro Amarelo

O mês de setembro é marcado por diversas datas e campanhas importantes, uma delas é o Setembro Amarelo.

O movimento começou a ser organizado pela Associação Brasileira de Psiquiatria em 2014 e hoje é a maior campanha anti estigma do mundo, inclusive o dia 10 desse mês é oficialmente o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio.

Um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, o número 3.4, fala sobre a redução da taxa de mortalidade por suicídio e busca promover a saúde mental e o bem-estar.

A importância do movimento

O suicídio é uma realidade que afeta o mundo todo. No Brasil são registrados aproximadamente 14 mil casos por ano, uma média de 38 pessoas por dia e, segundo a OMS, quase todos os casos estão ligados a doenças mentais tratadas indevidamente ou não diagnosticadas.

O Setembro Amarelo existe para preveni-lo e inserir o assunto na comunidade sem ser um tabu, quebrando mitos e incentivando as pessoas a buscarem ajuda. Ainda há muitos estigmas sobre o tema e o movimento procura passar por cima deles, pois é preciso falar sobre doenças mentais e tratá-las com a seriedade que elas necessitam.

Qual é o meu papel na campanha? 

Acabar com o tabu sobre o tema é o primeiro passo para trazê-lo à tona. É preciso entender as doenças mentais como doenças reais e passar a tratá-las com seriedade e sem preconceito.

É preciso levar o assunto a sério e se informar para poder ajudar as pessoas ao redor. Escutar sem julgamentos, com empatia, e mostrar que está disposto a ajudar já é um grande começo, mas o mais importante é encorajar a busca por ajuda profissional.

Também é bom lembrar do movimento o ano todo. O Setembro Amarelo serve para dar mais visibilidade para a iniciativa, mas ela continua ativa o ano todo.

Saúde mental

Para a campanha crescer mais e mais é essencial que a saúde mental tenha o mesmo reconhecimento da saúde física e seja tratada da mesma forma. 

A OMS diz que saúde mental é um estado de bem-estar onde a pessoa é capaz de usar suas próprias habilidades, se recuperar do estresse rotineiro, ser produtivo e contribuir com a sua comunidade.

Ou seja, uma pessoa mentalmente saudável contribui para uma sociedade mais desenvolvida e com a saúde em dia. 

E a sociedade tem o dever de apoiar isso, remodelando os ambientes que influenciam a saúde mental. O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse: “Os vínculos indissolúveis entre saúde mental e saúde pública, direitos humanos e desenvolvimento socioeconômico significam que a transformação de políticas e práticas em saúde mental pode trazer benefícios reais e substantivos para pessoas, comunidades e países em todos os lugares. O investimento em saúde mental é um investimento em uma vida e um futuro melhores para todos”.

Fale sobre o Setembro Amarelo

Participe da campanha, entenda o movimento e aprenda a identificar pessoas que precisam de ajuda. 

Deixar o preconceito para trás é a chave, não há porque evitar falar sobre suicídio, na verdade é necessário falar e compreender para prevenir, ele é um problema da sociedade que precisa ser discutido.

Ações simples, mas efetivas, fazem a diferença e podem salvar o dia de alguém. E você, vem com a gente nessa luta? 

Sicredi Dexis, apoiando e incentivando o desenvolvimento de uma sociedade mais justa, próspera e igualitária.

Compartilhar esse post:
[instagram-feed feed=1]